Este website utiliza cookies. Se continuar a navegar nesta página, isso significa que concorda com a sua utilização.
Para saber mais sobre os cookies e a sua gestão, clique aqui.
Array

As espantosas aventuras do ‘Segundo relógio’

A marca

Qualquer pessoa consegue reconhecer um Swatch quando o vê. Há algo que distingue nitidamente a Swatch de qualquer outra marca. Do que se trata afinal? O aspeto, as cores, o plástico? O design, talvez, ou o facto de ser fabricada na Suíça e ser suficientemente versátil para combinar com quase tudo. Existem relógios Swatch para todas as idades, e um Swatch para todas as ocasiões. Mas há mais na Swatch do que a cobertura de mercado. Swatch é uma atitude, uma forma de encarar a vida, um modo de ver. Ver um Swatch suscita emoções. Usar um é uma forma de comunicar, de falar sem usar palavras. Do fundo do coração.

 

A revolução Swatch

A história da Swatch é a história de uma revolução. Em 1983, o surgimento inesperado de um relógio em plástico, acessível, de fabrico suíço virou a relojoaria do avesso. De repente, um relógio era muito mais do que uma forma de medir o tempo. Era uma nova linguagem, uma forma de falar a partir do coração sem usar palavras. O relógio Swatch foi uma expressão de alegria, uma afirmação provocadora, um sorriso caloroso entregue com um movimento do pulso. Mais de 30 anos depois a revolução continua: A Swatch fala e toda a gente compreende.

 

Mas nem sempre foi assim.

 

A aventura começa

No final dos anos 70, um relógio suíço era o resultado de um cuidadoso trabalho manual, uma peça de valor exclusiva passada de geração em geração para ser apreciada durante uma vida inteira. Equipado com um complicado movimento mecânico de fabrico manual, era a expressão de uma cultura, na qual as mudanças apenas se faziam sentir (quando se faziam) apenas após muita ponderação, e mesmo assim muito lentamente. Foram introduzidos novos modelos, mas as mudanças na forma como os relógios eram fabricados eram poucas e espaçadas. E depois? Depois chegou a crise — não inteiramente inesperada, mas serenamente ignorada durante demasiado tempo. Do dia para a noite o mercado foi inundado por relógios da Ásia equipados com movimentos de quartzo. Mediam bem o tempo — a maioria era no mínimo tão precisa quanto os melhores relógios mecânicos — e eram baratos. Não era necessário poupar durante meses ou anos para conseguir comprar um. E o pior de tudo era que as pessoas estavam a comprá-los! Até os suíços estavam a comprar relógios baratos!

 

Não era preciso ser um génio para ver o que estava a acontecer. Em poucos anos, o valor das exportações de relógios suíços diminuiu para metade. A quota suíça do mercado baixou de mais de 50 para 15 por cento, e a concorrência com a Ásia reduziu o número de empregos relacionados com a relojoaria de 90 000 para menos de 25 000: Os relojoeiros suíços eram uma espécie em vias de extinção.

 

É nesta altura que entra em cena Nicolas G. Hayek, cujas propostas radicais e ideias revolucionárias iriam conduzir a indústria de uma experiência de quase-morte à sua saúde atual sem precedentes. Das melhores ideias de Nicolas G. Hayek destaca-se a do ‘segundo relógio’ — não uma peça dispendiosa de joalharia artisticamente manufaturada, mas sim uma nova e fascinante forma de afirmar a pessoa que é e a forma como se sente: elegante, emocional, provocador, sedutor… E uma vez que não custa uma fortuna, um segundo relógio foi rapidamente seguido por um terceiro, um quarto... e o resto é história. Em 2006, a Swatch celebrou a produção de 333 milhões de relógios Swatch, e em 2015 continua a reforçar a sua posição como uma das maiores marcas do mundo, conhecida em todo o globo como um fabricante de relógios divertidos, coloridos e excitantes em sintonia com os tempos e as tendências do estilo de vida.

 

No caminho para o estrelato da marca, a Swatch foi criando uma reputação invejável como inovador versátil, aplicando as suas aptidões criativas a tudo, desde a pesquisa e tecnologia ao design e fabrico do produto, passando pelo marketing, comunicação e distribuição.

 

Como se passou de uma manufatura lenta e paciente para um design de alta tecnologia e um fabrico de alta velocidade

No final da década de 70, confrontados com a crescente popularidade dos relógios de quartzo económicos, um grupo de engenheiros em Fontainemelon (Neuchatel) desenvolveram um relógio de luxo dourado e superfino conhecido por Delirium Tremens. Com uma espessura de apenas 1,98 mm e mais tarde de 0,98 mm, era o relógio mais fino alguma vez fabricado.

 

Como primeira resposta ao repto asiático, o seu segredo assentava na simplificação radical. Abandonou-se a divisão tradicional tripartida (placa inferior para o movimento, caixa, e moldura) favorecendo-se uma caixa inteira, cujo fundo também servia de placa inferior para o movimento. Mas um relógio fino e dispendioso não seria suficiente para combater a concorrência dos relógios de quartzo baratos que estavam a inundar o mercado. Era preciso uma abordagem mais radical, e a vontade de simplificar foi depressa complementada por uma procura de novos materiais e métodos que permitissem a produção de um tipo totalmente novo de relógio suíço — feito de material sintético, resistente a embates, preciso, perfeito para a produção em massa, acessível a todos, e disponível numa ampla escala de cores...

 

Os primeiros relógios Swatch eram precisamente isso — relógios suíços de qualidade, feitos de plástico. Nos fins de semana e meses que se seguiram ao seu lançamento, a Swatch tomou o mundo de assalto. Desde então que a marca continua a forçar os limites da tecnologia, introduzindo uma extraordinária variedade de materiais desde o plástico, aço inoxidável e alumínio, passando por tecidos sintéticos, borracha e silicone. A empresa continua a encontrar novas formas de transmitir textura e cor numa gama crescente de formas, e os designers inventivos tiram proveito de tudo aquilo que a tecnologia oferece. A redução radical do número de peças conhecida como a “revolução 51” tornou possível métodos de montagem inovadores, e tecnologias de embalagem especiais permitiram entregar os produtos em caixas agradáveis e encantadoras. Os avanços contínuos no design, materiais e nas tecnologias de produção possibilitaram à marca tornar acessíveis a um grupo mais abrangente de clientes até mesmo relógios mecânicos. O Swatch Sistem51, em particular, modificou radicalmente o fabrico de relógios mecânicos: em 2013 a Swatch apresentou o primeiro relógio mecânico desenhado para a montagem automatizada. A nova conceção revolucionária alia o ADN da Swatch, inovador ao nível do design, com os mecanismos dinâmicos de um relógio mecânico automático (de corda automática). A transparência da parte de trás da caixa, o rotor de anel e as superfícies ampliadas para impressão tornam o movimento ainda mais fascinante. Tal como os primeiros relógios Swatch há mais de 30 anos, o Sistem51 desafiou a indústria relojoeira suíça a reinventar-se a si própria. O Sistem51 abriu os horizontes do relógio mecânico, a um preço muito inferior ao dos relógios mecânicos mais acessíveis fabricados na Suíça. Desde a sua primeira apresentação em 2013, a procura do Sistem51 cresceu rapidamente, exigindo uma expansão sucessiva das capacidades de produção.

 

Marketing e comunicação

O ‘segundo relógio’ do fundador Nicolas G. Hayek nunca foi apenas um relógio. Também foi sempre uma forma de comunicação, uma ‘parte dialogante’ desenhada para deixar os utilizadores mostrarem quem são e como se sentem. Não é de surpreender, portanto, que a Swatch atribua grande importância à comunicação com os clientes. Atualmente chama-se a isso retalho criativo, e a Swatch possui lojas Swatch exclusivas, megastores, shop-in-shops e quiosques em todo o mundo. Hoje em dia, os pontos de venda da Swatch fazem uso de ambientes altamente modulares para providenciar um cenário claro e simples no qual os relógios, as suas cores e o design criativo sejam o centro das atenções, permitindo-lhes falar por si próprios. O conceito pode ser visto em Nova Iorque na famosa megastore na Times Square, em Changai no The Swatch Art Peace Hotel, em Paris na megastore dos Campos Elísios, em Pequim na Rua WangFuJing e em Hong Kong na Luk Hoi Tong Tower. Estes locais criaram as condições para mais aberturas em locais famosos nos cinco continentes.

 

Em 2013 a Swatch celebrou o seu 30º aniversário na feira anual de relógios em Basel, na Suíça. O espaçoso Baselworld transformou-se no Planet Swatch, que evolui todos os dias para revelar a riqueza da diversidade da marca e serviu de rampa de lançamento para o recentemente desenvolvido relógio mecânico, SISTEM51. O protótipo em exibição atraiu imensa atenção da imprensa generalista e da indústria. O Sistem51 demonstrou os pontos fortes da inovação da Swatch e do Swatch Group e desafiou a indústria de relógios mecânicos: inovem, distingam-se, tirem proveito do avanço das tecnologias para renovarem uma tradição honrosa de origem suíça.

 

Swatch Club

O Swatch Club começou por ser uma forma de os colecionadores e fãs de relógios Swatch se reunirem e partilharem o seu entusiasmo — para mostrar, trocar e falar sobre os últimos relógios Swatch. Atualmente, o Swatch Club evoluiu e transformou-se numa comunidade mundial. O Club apoia o mercado Swatch através das redes sociais e colabora com os seus membros e fãs através das páginas web em diferentes mercados e idiomas. O Swatch Club une as pessoas, 24 horas por dia — fãs que adoram arte, acompanham desportos e as mais recentes tendências de estilo de vida e meios de comunicação. Partilham o divertimento e a experiência da marca com membros em todo o mundo, desfrutando da experiência Swatch tanto online como em eventos ao vivo, onde conhecem atletas, artistas e VIPs. Eles vivem o mundo da Swatch através da Swatch.tv, relógios Swatch especiais, notícias privilegiadas e apresentações prévias exclusivas de futuros lançamentos. 

 

Todos os anos a Swatch oferece um relógio novo aos seus membros, desenhado para a comunidade mundial do Club. Recentemente, o Swatch Club começou a oferecer um segundo relógio Club a membros que compraram o primeiro do ano, e ganhou novos membros entre os jovens depois de uma série de festas inovadoras “Swatch Up Your Night” com personalidades relevantes da música eletrónica.

 

O Club, que começou por ser um local para os colecionadores se conhecerem e trocarem Swatches, tem visto alguns membros levarem a sua paixão pela Swatch a outro nível. Em 2011, uma coleção privada reunida por um colecionador suíço de nome Peter Blum foi vendida num leilão em Hong Kong por 6,5 milhões de dólares, e em 2015 a coleção Dunkel de relógios Swatch, realçada com trabalhos de artistas que criaram Swatch Art Specials, garantiu 6 milhões de dólares, também num leilão realizado em Hong Kong.

 

 

Swatch e arte

Desde o início que a Swatch se relacionou com a arte. Tal como a pop art vista pela primeira vez nos anos 60, os relógios Swatch foram inspirados pela cultura popular, e a própria Swatch cedo se tornou numa tela para artistas de fama mundial — pintores, escultores, músicos, cineastas. Não é o meio que conta, mas sim o ato de fazer algo diferente, o impulso criativo e a sua expressão. O primeiro artista a colaborar com a Swatch foi Kiki Picasso em 1984, menos de um ano após os primeiros relógios Swatch terem surgido. O pintor americano, Keith Haring, criou uma quantidade de protótipos em meados dos anos 80, e quatro relógios Swatch com o design de Haring foram produzidos e lançados nos Estados Unidos. Desde então, a relação entre a Swatch e a arte gerou um conjunto fascinante de colaborações criativas entre a Swatch e artistas de uma grande variedade de áreas.

 

Swatch Art Specials

De entre os muitos trabalhos inesquecíveis projetados para “a mais pequena tela do mundo” estão os clássicos Swatch Art Specials de Alfred Hofkunst, Jean-Michel Folon, Sam Francis, Mimmo Paladino, Mimmo Rotella, Nam June Paik, Not Vital, Akira Kurosawa e Pedro Almodôvar. A coleção Swatch & Art também tem sido enriquecida ao longo dos anos por artistas cuja criatividade é muitas vezes vista nas passarelas das cidades mais trendy do mundo, desde Paris e Milão, passando por Londres, Tóquio e Changai. De entre as que produziram um trabalho notável para a Swatch estão Agatha Ruiz de la Prada, Jean-Charles de Castelbajac, David LaChapelle e Jeremy Scott.

 

Os mais recentes acréscimos à coleção Swatch Art Special incluem designs inovadores pelo artista multimédia espanhol José Carlos Casado, o cantor e artista pop britânico Mika e os fotógrafos de Changai Birdhead, passando pelos designs gráficos coloridos de Olaf Hajek e Alexander Gorlizki e pela arte contemporânea da dupla alemã EVA & ADELE, o artista holandês Sigrid Calon e a famosa artista conceptual portuguesa, Joana Vasconcelos.

Uma parte integrante de cada Swatch Art Special é a embalagem, tão divertida e inventiva como os próprios relógios.

 

The Swatch Art Peace Hotel

Com a abertura do The Swatch Art Peace Hotel em Changai, a história do Swatch & Art entrou numa nova dimensão. Totalmente renovado pelo Swatch Group e aberto ao público em 2011, o hotel de referência no Bund possui dois pisos totalmente dedicados a estúdios e acomodações para artistas residentes. Desde 2011 que mais de 150 artistas de 39 países foram convidados pela Swatch a viver e a criar arte no hotel durante seis meses de cada vez. No final de 2014, a Swatch convidou o público para o FACES & TRACES, a primeira exposição de “traces” — arte produzida pelos atuais e antigos artistas residentes. As celebrações de abertura incluíram um Festival de Arte Urbana com pintura ao vivo e a primeira atuação ao vivo de cantores de tirolês suíços no Bund. Centenas de convidados desfrutaram de um evento artístico e de atuações ao vivo por todo o hotel nessa noite. Aberta ao público no final de fevereiro de 2015, a exposição FACES & TRACES atraiu centenas de visitantes ao hotel de referência.

 

La Biennale Arte

A relação entre a Swatch e a arte aprofundou-se com a parceria entre a Swatch e La Biennale di Venezia, que teve início em 2011 e desde então se tem desenvolvido significativamente ao longo dos anos. A edição de 2015 da La Biennale Arte assistiu ao aumento da presença da Swatch na prestigiada exposição internacional de arte com os seus próprios pavilhões no Arsenale Nord e Giardini, os dois recintos principais da La Biennale Arte. Os pavilhões ilustram a extensão e o alcance da história da Swatch & Art. Com o mote Swatch Faces 2015, a Swatch trouxe artistas de Changai e do The Swatch Art Peace Hotel a Veneza, onde expuseram ao lado dos artistas contemporâneos EVA & ADELE e Joana Vasconcelos, os quais também contribuíram com trabalhos para a coleção Swatch Art Special.

 

Inovação permanente – novos produtos

Nos mais de 30 anos que se seguiram após os primeiros Swatch Gents terem apanhado o mundo de surpresa, o relojoeiro suíço apresentou uma série extraordinária de produtos inovadores, desde os primeiros Originals ao POP Swatch, Irony, Skin, Scuba, Chrono Automatic, .beat, Big Classic, passando pelo leve Irony Xlite, e pelo SISTEM51. O seu extraordinário movimento mecânico tem apenas 51 peças e é o primeiro de sempre a ser montado inteiramente por máquinas – uma revolução mecânica! Uma expressão popular do espírito inovador da Swatch é também o Swatch Touch, a linha colorida de relógios de referência com grandes mostradores LCD e um zona sensível ao toque no lugar dos botões. O Swatch Touch transporta as tendências urbanas para o pulso, indo buscar inspiração aos ritmos urbanos e sons elétricos, e à absoluta exuberância dos desportos. A inovação da Swatch dá outra surpreendente e divertida reviravolta com o novo Swatch Touch Zero One. Os seus 5 mundos num só -- batidas, palmas, passos, treinador e tempo -- oferecem 18 novas funções que tornam ainda mais divertido o voleibol de praia e o estilo de vida ativo. O relógio também pode ser conectado a uma aplicação atrativa e original para smartphone desenhada pela Swatch para intensificar a experiência desportiva e de fitness da mesma forma para jogadores e para fãs.

 

Plástico, silicone, aço e alumínio continuam a oferecer ao designers uma riqueza de cores, texturas e técnicas assim como surpreendem e deliciam os fãs com formas alucinantes e infinitamente divertidas de saber as horas. E há muitos novos materiais ainda por descobrir.

 

Desportos

Os desportos são uma parte essencial da identidade da Swatch. A Swatch tem vindo a promover e a apoiar desportos de ação e de estilo de vida desde o início—desportos que desafiam homens e mulheres jovens a tirar o maior proveito de si próprios. A Swatch tem demonstrado o seu apoio através da medição oficial do tempo e de patrocínios de uma grande variedade de projetos e eventos em todo o mundo. A Swatch Skiers Cup acrescentou outro excitante evento à lista de eventos desportivos apoiados pela Swatch; o surf feminino registou um forte aumento de visibilidade graças ao apoio total da Swatch e o Swatch Primeline Munich assiste ao empenho da Swatch com desportos de ação no seu melhor (Mountain Bike Slopestyle).

 

Surf

Nos últimos anos, a Swatch tem vindo a alargar o seu apoio a desportos de ação que incluem o surf feminino. A seguir ao inaugural Swatch Girls Pro France realizado em Seignosse-Hossegor em 2010 e à ação da Swatch em 2011 para trazer o surf profissional internacional à China, em 2014 a Swatch levou o seu apoio ao mais alto nível - o ASP Women’s World Championship Tour (WCT) – com o Swatch Women’s Pro Trestles 2014. No Peru, a Swatch está a apoiar um extraordinário projeto juntamente com a surfista campeã Sofia Mulanovich. A Sofia convida 12 jovens surfistas talentosos de diferentes meios e regiões para a sua academia de surf de alto desempenho em Punta Hermosa, onde aprendem a saber lidar com o oceano e com um ambiente voltado para o desporto, com energia pura e um apoio extraordinário na prossecução dos seus sonhos.

 

Esqui e snowboard Freeride

O compromisso de longa data que a Swatch tem com os desportos de ação também se manifesta na sua função como patrocinador principal do Swatch Freeride World Tour. A estreita relação da marca com estas competições eletrizantes (Freeride Snowboard e esqui) começou com o evento Verbier Xtreme em 1996 e evoluiu para uma parceria que começou com o lançamento do Freeride World Tour em 2008 e continua até hoje.

 

Swatch Skiers Cup

A primeira competição intercontinental mundial de freeride assiste à competição de igual para igual de equipas de topo da América e da Europa numa série de confrontos de big mountain e backcountry slopestyle. Após as primeiras duas edições em Valle Nevado no Chile em 2011 e 2012, a Swatch Skiers Cup deslocou-se para Zermatt, na Suíça. Em 2014 a equipa da América empatou o resultado a 2 vitórias para cada equipa. Na 5ª competição anual em 2015, a equipa da Europa surgiu na liderança, com 3 para 2, com uma excitante vitória perante a equipa da América "em casa" da Swatch em Zermatt.

 

Voleibol de praia

A Swatch e o voleibol de praia tem uma longa história de colaboração, e a marca construiu uma reputação mundial como forte apoiante do desporto à medida que este se foi expandindo desde as suas origens nas praias arenosas do Sul da Califórnia até aos atuais estádios construídos para o efeito em todo o mundo. Durante dez anos, a Swatch foi patrocinador principal do FIVB Beach Volleyball SWATCH WORLD TOUR e é atualmente o patrocinador principal do novo Swatch Beach Volleyball Major Series.

 

Swatch Proteam

A Swatch Proteam reúne atletas de topo de uma ampla variedade de disciplinas desafiantes, excitantes e criativas, tais como snowboard, freeskiibg, FMX, surf e voleibol de praia. Tal como os atletas da Swatch Proteam, a Swatch adora superar os limites e atrever-se a tornar possível o impensável.

 

Swatch - responsabilidade social

A Swatch mantem uma presença ativa em mais de 60 países, envolvendo-se com as comunidades a vários níveis, e estando ciente do seu papel como empregador e fabricante com impacto no ambiente. No Peru, a Swatch apoia o Proyecto Sofia Mulanovich, que se empenha em desenvolver o talento peruano para o surf e um sentido de responsabilidade universal. O programa de três anos combina treino de alto nível em surf de competição para homens e mulheres jovens com lições de vida assentes em áreas chave da proteção ambiental, vida saudável e competição leal. Durante a Expo 2015 em Milão, na Itália, com o tema "Alimentar o planeta, energia para a vida", a Swatch reforçou o seu apoio ao The Treedom Project, cujo objetivo é tornar a África mais verde, plantando 5100 árvores de fruto no Quénia. A partir de 1 de maio, os primeiros 5100 visitantes que comprassem um Swatch na loja pop-up Swatch EXPerience recebiam de presente uma das árvores de fruto da campanha. Eles poderão acompanhar online o crescimento da árvore introduzindo um código pessoal que se encontra impresso num cartão especial. Com este projeto verde, a Swatch alcança dois objetivos: a criação de benefícios para o ambiente e o apoio dos agricultores que irão plantar árvores no Quénia. 

Swatch Finder

Swatch_Finder_Teaser